My sister has never seen a Batman movie.

July 28, 2012 § Leave a comment

So, yeah. Yesterday (just before I went to see The Dark Knight Rises) my 12 (almost 13) year-old sister told me she had never seen any of the Batman films. And not just the new ones, but the old ones as well. It’s a concept I can’t quite grasp – probably because I grew up watching the Tim Burton version, on the telly on Saturday afternoons, or because I was slightly obsessed with Arnold Schwarzenegger back in the day so I watched that horrible one-we-shall-not-name far too many times before Batman’s nipples started bothering me.

Batman is probably my favourite superhero. We can go into the argument that ‘he’s not really a superhero because he doesn’t have super powers’. Well, fuck off. His super power is that he’s filthy rich and super intelligent and shut up because it does count.

It’s not just because Batman was darker and more mysterious than other superheroes, that came later, because I read the comics and paid attention to the story. Back when I was around 10 years-old (that’s the 90s by the way), Batman had a few movies out there, the brilliant Batman: The Animated Series and I occasionally caught up the old 60s TV show on late nights (along with Wonder Woman with Lynda Carter and the Hulk series). Good times.

I guess it was all a bit of determinism why I became to be a Batman fan as I was exposed to it so much. Also, I was a bit of a morbid teenager, I was very (and by very, I mean very) fond of Jack the Ripper stuff, Agatha Christie’s books as well as Sherlock Holmes’ stories. So maybe because Batman had a bit of detective to himself, I liked him so much.

It’s weird then, to realize that my sister (who is right now watching Batman Begins – courtesy of my DVD collection) will not experience the Tim Burton movies which I truly believe led the way to the superhero franchises of today. She will never have chills going down her spine whenever she sees a dead fish because she remembers the Penguin eating a raw one in the scene that has disturbed me the most in all of the Batman movies so far. She will have Anne Hathaway’s badass Catwoman, but not the sexy goddess that was Pfeiffer (therefore it’s unlikely she will dream of having a vinyl catsuit and vinyl boots to go along like I did – and yes I eventually bought vinyl boots but never wore them). But hey, at least she won’t have Batman with nipples (although I admit I love the Batcard joke in the Batman & Robin movie). She will have brilliant the Heath Ledger as the Joker, which I truly believe owned up to the character more than Jack Nicholson ever did when it comes to making me scared or nervous (and I was a child then, so allegedly easier impressed).

Much to my sadness, it reflects a sad reality: my Star Wars was that of the Phantom Menace. My dad (thank FUCK) was a fan of the old ones and made me watch it, but after went on raving afterwards about how the originals were better and I went there and watched the old ones before Episodes II and III came out. Thankfully, my sister has gotten the better of from this similar situations, because she has the Nolan brilliance to show her who Batman is in the big screen and all I got was fucking Jar Jar Binks.

PS.: Proud geek daughter fact: my dad took my mom to a Star Wars-all nighter for their first date.

Advertisements

Blooming Tales.

June 9, 2010 § 1 Comment

Have you ever seen “Pushing Daisies”? If you haven’t, it’s an American show that was sadly cancelled after 2 seasons. The main appeal of Pushing Daisies for me was not only it’s cool story (a guy who with a touch can bring back the dead, with consequences), but the sense of humor.

It had that quirky, sarcastic-but-not-really, witty and giving that feeling of “we live in a happy world” even if the situation was weird, sad and random. The opening sequence of the pilot is the best example of that. Anyway, I went to see “The Brothers Bloom” today and I immediately thought of Pushing Daisies.

Maybe because the movie starts with two kids and a sad background, but mostly because the movie has the same sense of humor that made me love that show. An eccentric humor, matching it’s eccentric characters.

So, Brothers Bloom is directed by Rian Johnson (yes, with an i), who I had never heard of before (apparently his movie “Brick” is really good). His direction is excellent, the angles, the camera movements (specially when Adrien Brody is on screen) and all the actors are superb. He adores long takes and sequence plans, which create a suavity and beautifully and stylish shots.

The vintage costumes make you a bit confuse about the time the film is set, but then again, they’re all so elegant and classy and matching that sense of false reality that you don’t really mind. Plus, the locations that go from Greece to Prague to St Petersburg are a show itself.

The cast is excellence in its nature. The Bloom’s of the title are played by Mark Ruffalo (as Stephen, the older and mastermind) and Adrien Brody (as Bloom, no first name, “the vulnerable anti-hero” as he puts it).

Both amazing and I must here open a parenthesis to talk about Brody. I finally understood how people can find Sarah Jessica Parker beautiful even though she looks like a horse. After seeing this movie, I fell in love with Brody long hands and beautifully sad expression. Ruffalo’s Stephen is almost a cold con man (that’s the brothers profession) if you didn’t know all he does is because of his brother Bloom.

In addition to that, we have an already classic and priceless character on Rinko Kinkuchi’s Bang Bang. She’s a crazy Japanese girl, who speaks pretty much only three words in English (“Campari” and “fuck me” as far as we can tell), with a things for making bombs and great skills on disappearance tricks. She’s cool, that’s all I’m saying.

You would think that this is enough to have an excellent movie, but no! We also have my darling love Rachel Weisz – who NEVER disappoints me. She’s a crazy millionaire that doesn’t really care about her money, eccentric as they come, collector of hobbies (in one of the most hilarious scenes of the movie) and “an epileptic photographer”. I fell in love with her from scene one and no wonder you don’t question Bloom-junior feelings either. Add to that Robbie Coltrane’s Belgian-maybe-French presence and the evil man (who maybe I was the only one who saw it, but also abused children) Diamond Dog (DD – maybe a reference to Dad, since he’s the only paternal figure actually present in the brother’s life).

The chemistry between Brody and Weisz is incredible. Their scenes are full of an awkward sexual tension and you never really know what she’s thinking. The way Johnson shot their first kiss actually brought tears to my eyes, because of the sincerity of it.

More than that, the movie has a great story to tell. A story about unwritten lives and playing parts, pretending to be someone and how happy we are as long as we don’t realize that we’ve been lied to. Brody’s Bloom wants to escape from that fake world that Stephen created for him, but he can’t because the world outside cons is just as surreal.

To some extent the movie refers to acting and fooling people (that reminded me a lot of “The Prestige” by Christopher Nolan). Adrien Brody is a depressed man wanting to get out of the con life, but he doesn’t know what to do with himself. All he knows is how to play parts that his brother gives to him.

Therefore, it doesn’t come as a surprise when the climax of the movie (and there are so many you’ll get confused which one is the real one, that is it’s biggest fault) is set on an old, decaying theatre. We can see the end of their careers. Show is over, close the curtains.

No shit, Sherlock – Parte 2

February 9, 2010 § Leave a comment

Depois de um pouco mais do que o tempo previsto, finalmente termino aqui o Top 10 Filmes Fodas de 2009 (decidi dar um titulo novo).

Vale lembrar que no fim vou colocar uns extras que nao entraram na lista mas foram fodas mesmo assim.

4.  (500) Days of Summer: revolucionando o genero de comedias romanticos e boy-meets-girl ate agora, 500 Days conta com uma trilha foda, composta de Smiths, Doves, Regina Spektor e por ai vai.  Conta tambem com um senso de humor e piadinhas daquelas de rir consigo e de rir em voz alta. A cena pos-sexo nao podia ser melhor.

Uma love story completamente “indie” e que ao mesmo tempo nao eh uma love story at all. Me disseram que foi um dos filmes mais tristes do ano. Eu achei um dos mais realistas e ao mesmo tempo esperancoso e romantico. Com otimos recursos de direcao, esse filme captou a essencia de “cade meu conto de fadas?” que muitos jovens-adultos (?) andam sofrendo.

O diretor, Marc Webb, contratado para reiniciar a franquia dos filmes do Homem-Aranha, agora no high school, nao tenho duvidas que vai captar a mente adolescente muito bem.

3. Away We Go: Seguindo com comedias romanticas na lista, mas Away We Go, infelizmente, passou mais despercebida nos cinemas. O querido John Krasinski (mais conhecido por estar no The Office americano) esta para ser papai e ele e a sua esposa decidem sair por ai a procura do lugar perfeito para criar seu bebe e iniciar a sua familia.

Uma das aberturas mais engracadas que eu ja vi e com momentos mais do que fofos, esse filme eh diferente porque por incrivel que pareca, os seus protagonistas estao felizes juntos. Fiquei obcecada pela trilha sonora tanto quanto pela trilha de 500 Days of Sumer. Com coadjuvantes pra lah de aleatorios, os protagonistas sao muito adoraveis e cativantes.

Admito que a posicao do filme na lista e o fato que eu chorei por horas depois que eu vi o filme foram influenciadas pela minha propria historia amorosa de “e se…”, alem de detalhes do filme que me trazem lembrancas nostalgicas. Mesmo assim, com a direcao de Sam Mendes (fugindo das tristezas de relacionamentos como em Beleza Americana e Revolutionary Road), é um filme  sensivel, comico, triste, perturbador e poetico. Afinal, achar um lar eh algo que todo mundo esta sempre procurando.

2. Watchmen: Foda-se o Alan Moore renegando todos os filmes baseado nos seus quadrinhos. Sim sim, a maioria nao fez justica, mas se tem um que me emocionou e moveu tanto quanto o HQ foi Watchmen. A direcao de Zack Snyder (do sangrento e tambem fodamente epico “300”),  mesmo com suas cameras lentas em excesso, violencia nos lugares errados e falta de desenvolvimento dos personagens tanto quanto poderia, a trilha sonora fooooooda, fotografia e edicao iradas, suas 2h30 que parecem puxadas visualmente da HQ e o fato de que conseguiu trazer em mim toda aquela sensacao de dor, repulsa e pena pela raca humana ao mesmo tempo, como os quadrinhos me fizeram sentir, tem que bater palmas pro cara.

O final debatido pra mim ficou melhor que nos quadrinhos e mais crivel, apesar de que nao vou entender algumas escolhas que o Snyder fez para isso, o filme foi uma adaptacao realista, com um excelente elenco e tudo o que eu poderia pedir numa transformacao de HQ pra cinema. Sim, eh longo. Porra, pra quem aguentou Avatar (que tem praticamente o mesmo tempo de Watchmen), com a sua historia tola e previsivel, ver Watchmen eh um refrescante trabalho de roteiro e complexidade. Use seu dinheiro em algo que vai te fazer pensar e nao simplesmente pensar “nossa que efeitos incriveis” e com os seus dialogos e personagens superficiais.

Calculo o sucesso do filme pelo fato que foi um soco no estomago tanto quanto os quadrinhos foram uma pancada nas costas.  Com tanta forca moral, politica e etica quanto o original do Alan Moore, entra pra lista de 5 adaptacoes de quadrinhos mais bem feitas ate agora.

1. Inglorious Basterds: O muito esperado novo longa do Tarantino, que nao precisa de muitas explicacoes sobre a sua habilidade como diretor. Esse filme entra no primeiro lugar da lista porque eu nao tinha a minima ideia do que ia acontecer na proxima cena e isso, meus queridos, eh como todo roteiro deveria ser.

Engracado de um modo totalmente impoliticamente incorreto, com atuacoes ja classicas como o Aldo do Brad Pitt, o critico de cinema ingles muito sexy, participacoes especiais de Mike Myers, ou a presenca de Churchill no cantinho, Hitler como um mimado, citacoes a Leni Riefenstahl, Goebbels comicamente representado, Diane Kruger fingindo ser um tipo de Marlene Dietrich e muitos mais (sem comentarios sobre Landau, que virou um dos meus all-time-favourites personagens do cinema) e o classico gore Tarantinesco, “Inglorious Basterds” merece aplausos de peh.

Adicione a isso o fato que qualquer filme que ousa mudar a historia mundial mais conhecida descaradamente e nao apenas por detalhes praticos para o roteiro, bom, isso prova o poder do cinema. Licenca poetica ou o caralho a quatro, Tarantino quebrou a banca e foi mais alem do que ja foi ousado e moldou a historia da humanidade ao seu bel-prazer.

Recheado de criticas aos americanos serem estupidos, franceses serem arrogantes e alemaes serem neuroticos, com as referencias cinefilas de Tarantino e a cultura pop, um filme que me fez sair do cinema sorrindo e repetindo sem parar “foda foda foda foda foda” merece o primeiro lugar.

A ultima frase do filme me faz simplesmente dizer: Hell yeah. (spoiler: I think this just might be my masterpiece)

Extras: Mereciam ter entrado na lista ou pelo menos merecem kudos-

* Star Trek

* O Imaginario do Dr Parnassus

* A Serious Man

* The Soloist

* The Hangover

* Paranormal Activity

No shit, Sherlock. – Parte 1

January 24, 2010 § Leave a comment

Ainda meio atrasada nas updates do blog e tambem meio atrasada no que eu vou comentar, mas seguinte, decidi fazer a minha lista de filmes de 2009 que foram os meus favoritos.

Acho que nunca fui tantas vezes no cinema como agora em Londres! Tudo gracas ao meu cartao Unlimited Cineworld, que me permite ver filmes em qualquer Cineworld, quantas vezes eu quiser, em qualquer dia da semana por miseros £16.60 por mes. Ah, as maravilhas da vida em Londres.

Enfim, gracas a minha neura de colecionar os ingressos de cinema, consegui relembrar os bons e ruins filmes do ano, mas como temos que comecar o ano com um post positivo (assim como terminei um ano com um post positivo), vai os 10 melhores de 2009 (que eu VI em 2009) por mim (assumindo que nao vi alguns filmes que dizem ser muito bom, como The Hurt Locker).  Em formato contagem regressiva, porque assim eh muito mais divertido!

10. UP: a Pixar me faz sentir toda warm and fuzzy com os filmes que fazem, tipo que Wall-E foi um daqueles que renovou minhas esperancas que bons filmes podem ser feitos para criancas e para adultos. Com uma historia fofa e um dos melhores 10 minutos iniciais que eu ja vi num filme, UP fala de um velhinho que decide levantar voo na sua casa e ir ate a America do Sul para realizar um sonho antigo. Excelentes dialogos e excelentes personagens coadjuvantes (que sejamos sinceros, sao a graca de todos os filmes da Pixar).

9. District 9: Excelente filme sci-fi, acho que deu uma renovada no que andada sendo feito tambem, ainda tem varias referencias a outros filmes do genero. Com um formato inusitado para a sua historia, District 9 conta a historia de uma nave alienigena que esta sobre a cidade de Joanesburgo (ao contrario da tradicional cidade americana), onde somado com os problemas sociais que a cidade ja tem, os alienigenas viraram vitima de violencia e racismo por parte dos cidadaos. Um filme que fala mais sobre humanidade do que muitos filmes com elenco sem extra-terrestres. Fiquei extremamente chocada com algumas coisas do filme porque infelizmente, algumas pessoas agem daquele jeito na vida real e nem eh com uma especie diferente, mas sim com outras pessoas por causa de cor ou opcao sexual. Neil Blomkamp eh um diretor para se ficar de olho.

8. Vicky Cristina Barcelona:  Woody Allen num dos seus melhores, me fez ate querer morar em Barcelona, coisa que significa muito. Enfim, duas turistas americanas, Vicky e Cristina (uma a epitome de certinha e a outra da menina selvagem) viajam para Barcelona e conhecem um sexy Javier Bardem: triangulo amoroso, obvio. Penelope Cruz esta otima como a ex louca, os dialogos sao tipicos de Woody Allen, assim como as neuras dos personagens. Sinto falta da presenca dele no filme, mas apenas porque adoro a sua persona. O fato eh que o filme funciona como os filmes dele nao funcionavam a tempo. Por sinal, baita trilha sonora e fotografia!

7. Sherlock Holmes: Sou muito fan do Sherlock Holmes (um dos meus top 5 homens ideais) e a principio fiquei apavorada com a ideia de uma adaptacao dirigida pelo Guy Ritchie, com o Robert Downey Jr (que eu adoro, mas nao tem nada a ver com a minha imagem mental do Holmes). Para minha grande satisfacao, eu adorei e ja vi 3 vezes. Apesar de que algumas coisas me irritaram, como a Irene Adler ter uma participacao enorme, quando nos livros tem apenas uma short story e o fato da personalidade bipolar do Holmes ter ido muito mais para um lado que nunca se ve do para o outro, alem da falta de higiene dele que diferencia da sua mente metodica. Por outro lado, manter o Watson magro e mancando, alem de sim, ambos terem dotes fisicos, foi uma boa escolha. Gostei da fotografia e da trilha sonora, adorei ver Londres vitoriana no cinema e apesar do roteiro nao ser dos melhores, ainda achei um otimo filme. Ainda mais pontos por ter tirado o chapeu de “deer stalker” e a capa, que nunca estiveram no livro. Elementar, meu caro Watson (que agradeco por ter ficado de fora).

6. Let the Right One In: Por mais que eu adore Twilight, filme de vampiro bom do ano passado foi esse aqui. Uma producao sueca que traz a historia de duas criancas, sendo que uma delas nem crianca eh porque eh um…VAMPIRO. Haha. Brincadeiras a parte, o filme assusta, surpreende, super moody e bem fotografado. Os atores sao incriveis para o tipo de papel que estao fazendo e as diversas sutilezas do filme sao prova de um excelente roteiro.

5. Nick and Norah’s Infinite Playlist: O filme ja valeria entrar aqui por causa da Caroline, a melhor coadjuvante ever, e pela trilha sonora. Mas dai a gente soma a fofura do Michael Cera (apesar de estar no mesmo papel de menino indie que nao pega ninguem como sempre) e a Kat Dennings que eh uma nerd assumida, alem dos dialogos hilarios e fofos e um otimo ritmo, alem de mostrar muito bem aquele sentimento de achar alguem com quem tu te dah bem desde o primeiro momento que voces se conhecem, me faz adorar esse filme.

Essa semana coloco os outros 4!

Pausa do Glastonbury – “Lua Nova”

November 18, 2009 § 1 Comment

Se ser uma fan de Twilight serviu para alguma coisa nessa vida foi para me apresentar a muitas pessoas que agora posso chamar de amigos.

Uma dessas conheci em Londres. Brenda, uma americana casada com um ingles, criou o primeiro site de Twilight no Reino Unido (www.twilightnews.co.uk). Foi ela que me mandou uma mensagem anteontem perguntando se eu queria ir ver “Lua Nova” numa sessao especial realizada hoje.

Quando cheguei em Leicester Square – uma praca em Londres cercada por cinemas e onde acontecem todas as premieres, inclusive “Crepusculo” ano passado – uma surpresa: muitas adolescentes gritando loucamente. Achei que ia ser um evento ja, mas nao, era apenas a premiere de “Eu e Orson Welles”, filme novo do outro queridinho, Zac Efron.

Na entrada do cinema, Odeon, ja tinham muitos segurancas recolhendo cameras, celulares e ate iPods. O ambiente, com cerca de 1000 lugares, estava quase lotado. Aparentemente, tinha sido reservado para a premiere, mas ja que o filme teria que competir com mais 3 premieres na mesma semana, acabaram fazendo a tal Tour pela Europa e decidiram fazer uma sessao para os fans (nao que eu esteja reclamando).

A sessao estava prevista para comecar as 18h30. As 18h40, nos avisaram que estava atrasado porque a pessoa que foi convidada para apresentar estava atrasada. A gritaria comecou… Bem-informada como sou, sabia que o elenco principal (Rob, Kris e Taylor) estavam nos EUA, entao minha aposta estava em Michael Sheen ou Jamie Campbell Bower, ja que ambos sao ingleses e moram por aqui.

De fato, era para ser Michael Sheen, mas ele estava preso no trafico e acabamos ficando com Jamie, que agradeceu, falou que sem fans nao seriam nada, pediu desculpas por nao ser o Robert e desejou uma boa sessao. Apagam as luzes e as cortinas abrem. Nao preciso nem dizer que a gritaria foi intensa.

 O FILME.

Aos curiosos: melhor do que “Crepusculo”, que mesmo tendo seu valor, nao foi uma maravilha tecnica. Quem nao gosta do Jacob e nao gosta do livro “Lua Nova”, vai reclamar do filme por causa do ritmo do meio. A Kristen detonou no papel de Bella e o Robert melhorou de “Crepusculo” para “Lua Nova”.

A partir daqui comecam os spoilers, recomendo nao ler quem nao quiser ser “estragado” com um pouco mais de detalhe. Apesar de que os spoilers sao mais gerais e nao tao especificos em relacao a cenas e dialogos.

Os creditos de abertura dao uma sensacao bem mais de “estamos levando isso a serio”, o que achei otimo. O Chris Weitz realmente conseguiu puxar a serie para um lado mais serio, mesmo com as adolescentes gritando nos meus ouvidos.

A cada entrada do Robert no inicio do filme se ouvia gritos, assim como quando o Taylor aparece sem camisa. Acho que esse acaba ficando o maior problema do filme: nao tem como levar tanto a serio com o publico. A maior parte das criticas anda falando que tem muito homem semi-nu, obviamente eles nao leram os livros, onde sim, eles ficam semi-nus o tempo todo.

Em relacao a tecnica, o Chris dominou. Ele pode ter uma formacao mais classica e tradicional em comparacao aos angulos e enquadramentos loucos da Catherine, mas isso nao faz dele pior. Pelo contrario, ao inves de ficar agonizando com os angulos escolhidos, o filme flui visualmente e a fotografia e iluminacao ajudaram muito: saiu o tom azul total e entrou um tom natural e meio alaranjado. O frio azul dos vampiros ficou para “Crepusculo” e o quente do laranja veio para “Lua Nova”.

A direcao de arte e os figurinos estao melhores e a trilha sonora (excelente, eu nao tinha ouvido ainda) nao fica gritando “Oi oi sou a trilha sonora”. Ela entra no filme, fazendo parte do conjunto, talvez menos na parte da perseguicao da Victoria.

A cena do aniversario ficou muito boa e igual ao livro. Super dramatica, mas deixou de fora a conversa religiosa do Carlisle e Bella. Cortou um pouco toda a angustia de que “algo vai acontecer” e o Edward ja vem querendo terminar no dia seguinte. Por sinal, aos fans mais sensiveis se segurem, porque a cena do rompimento foi muito dramatica. Vale dizer que a Kristen nao me desanimou e o Robert conseguiu dar uma performance super sincera.

A Stephenie Meyer nao tem uma grande habilidade literaria, sejamos honestos. A sua tecnica nao eh das mais inovadoras, mas devo admitir que o jeito que ela decidiu retratar o periodo de “grande depressao” da Bella no livro me fez bater palmas. A versao visual do Chris acaba sendo tao impactante quanto: uma camera fica dando um 360 no quarto, com a Bella no centro, sem mudar de posicao ou expressao e apenas o que acontece na rua mudando.

Apesar de que a Kristen nao chora de verdade, nao senti falta disso tanto. Acho que chorar acaba sendo uma demonstracao de que existe um coracao ali e ele esta quebrado, enquanto que o fato dela estar realmente um zumbi e nao conseguir fazer nada e nao reagir a nada e olhar perdida para frente mostra que nao, o coracao dela nao esta mais ali. Vale dizer, os gritos dela sao de cortar o coracao e a interpretacao do Billy Burke como pai preocupado deu pena tambem, porem senti falta de mais cenas dos dois, que foram o ponto forte do primeiro filme.

Um grande problema do filme para os que nao gostam do livro (mas gostam da serie) eh a parte do Jacob. Eu nao gosto do Jacob, fato. Porem, adoro o livro porque a Bella amadurece e aprende a lidar com algo que todo mundo tem que lidar um dia: fins de relacionamentos. No entanto, mesmo com tantos homens semi-nus, quem espera ver o Edward na tela o tempo todo acaba sentindo, ainda mais porque a quimica de Kristen e Taylor nao chega perto da quimica dela com o Robert. Devemos agradecer a Catherine por ter colocado dois atores com tanta quimica juntos. Isso que salva para muitos dos que nao gostam dos livros, mas assistem o filme.

Eu nao senti tanto problema de ritmo, porque assim que a parte mais repetitiva (a Bella na casa dos Black, consertando as motos) acaba, entraram em cena os lobisomens. A transformacao deles ficou milhares de anos luz na frente dos efeitos especiais de “Crepusculo”. Apesar de ainda nao serem ideais, pelo menos nao sao motivo de risada mais. O “wolf pack” ficou bem amiguinho mesmo, tanto que eu nao conseguia discernir a diferenca de um para o outro…

Com relacao aos vampiros, devo dizer que o sotaque novo do Laurent nao foi tao bom. Sinto muito, mas o Edi nao sabe fazer sotaque frances. Fora isso, a cena toda do encontro dela com ele na clareira ficou fiel, inclusive a entrada dos lobos. Em relacao a Victoria, ela ganhou um pouco mais de espaco do que no livro, o cabelo esta mais vermelho e tchau, Rachelle, bem-vinda para “Eclipse”, Bryce. A interpretacao de Rachelle realmente nao eh nada demais.

Os Cullen ganharam o tanto de cena quanto eles tem no livro, entao nao espere muito, especialmente Rosalie, que acabou tendo um papel bem maior do que deveria em “Crepusculo” por conta da sua amizade com a Catherine. A Ashley Greene, tem uma entrada ainda mais aleatoria que a sua no primeiro filme, porem, ela continua sendo uma Alice perfeita, apesar de nao ser tao “irritante” quanto no livro.

Grande ganho do filme eh que ao contrario de “Crepusculo”, onde dialogos eram escarcos, “Lua Nova” compensa. Muitas frases do livro acharam seu lugar por aqui e apesar de que os maiores monologos acabaram ficando para tras, sua falta nao eh sentida.

Chris Weitz conseguiu realmente puxar uma intepretacao melhor do Robert, pois sinto muito, mas a atuacao dele na primeira metade do primeiro filme me decepcionou. Mas na realidade, apesar do que ouvimos em entrevistas, quem eh o centro do filme nao eh o Taylor, mas sim a Kristen, que nao fica para tras e entrega uma grande atuacao. Ela carrega o filme nos momentos mais parados e nao faz a gente esquecer o quanto a Bella ama o Edward e que sejamos sinceros: Jacob nao tem chance.

Portanto, todos ficamos felizes quando Jacob sai de cena e a Bella sai voando para resgatar o seu verdadeiro amor, algo que acontece com tanta naturalidade que nem se ve quando chega a hora de ir para a Italia.

Enquanto a ida nao foi tao longa e apreensiva quanto no livro, acaba ficando eh rapida demais (o que faz sentido por causa do tempo do filme e da estrutura). A cena do reencontro foi linda, mas faltou o dialogo do Romeu e Julieta, que tinha pontuado muito o livro. A cena do beijo foi estragada por uns efeitos de “dissolve” que o montador/diretor colocaram ali, nao precisava e arruinou o clima.

A batalha deu um grande impacto na cena tambem e teria ficado otima no livro. Palmas para Michael Sheen, mudando de lado (ja que ele foi o lobisomem-alfa de “Underworld”) e sendo um otimo Aro. Nota-se que ele se divertiu no papel. Os outros Volturi acabam nao tendo grande participacao, exceto Dakota Fanning como Jane, que por sinal, ficou super malvada e otima.

Algo bem curioso foi que durante todo o filme, todo mundo dava gritinhos quando o Taylor aparecia saradissimo na tela, mas quando o Robert tirou a camisa (o que me afetou bem mais que o Taylor andando por ai semi-nu a cada 2 min), ninguem deu um pio. Nao sei se porque estavam esperando um bombadao como o Taylor ou se estavam todos extremamente dentro da cena para fazer qualquer comentario. Gosto de pensar que foi a segunda opcao.

No fim, a relacao Edward/Bella, que eh o ponto forte dos livros, nao chega a ser surpresa, mas eh o ponto forte do filme tambem. O final, meio diferente do livro (apesar de incluir a cena da votacao, que era algo que eu tinha medo que fossem tirar) nao ficou ruim e acaba num momento que vai fazer todos dizerem “ooooooooooun” e deixar o pessoal louco por “Eclipse”.

O que me surpreendeu muito foi que o filme nao me impactou tanto quanto “Crepusculo”. Penso que provavelmente foi porque nao sou mais uma pessoa tao obcecada quanto antes e o fato de ver os livros virando filme nao eh mais novidade.

Obs.: Surpresa para os brasileiros: quando ele recebe a noticia pelo telefone de que o Charlie esta num funeral, vemos o Cristo Redentor iluminado no fundo da janela da casa onde ele esta.

“I know what dude I am. I’m the dude playin’ the dude, disguised as another dude!”

January 7, 2009 § 1 Comment

Primeiro dia do Project 365 (postado no post de ontem), primeira foto do dia, ficou improvisada porque as baterias da camera ficaram carregando em casa.

Fotos dos livros e dvds adquiridos nesse primeiro mes em londres. O Wuthering Heights e Lord of the Flies foram emprestados da biblioteca da Malvern House. Watchmen eh do meu colega de casa, Pedro.

Nao paguei mais de 7 libras por nenhum deles.


First day of the Project 365 (commented on yesterday post). First photo, all the books and dvds bought here in London, except those borrowed from the library (Wuthering Heights and Lord of the Flies) and from my friend (Watchmen). I didn’t pay more than 7 pounds for any of these items.

fotos-julia-011

“Dêem-me café, vou escrever!”, últimas palavras de Olavo Bilac

October 2, 2008 § 2 Comments

Acabei de chegar do cinema da sessão do “Ensaio sobre a cegueira”, dirigido pelo Fernando Meirelles e logicamente baseado no livro do Saramago (que por sinal, não me perdôo por não ter lido, mas tava sempre locado na PUC).

Então, o filme é fantástico. Muito bem dirigido, com uns enquadramentos muito legais e bonitos mesmo, montagem muito interessante, fotografia me deixou meio assim no início (não os fades pro branco que eu achei uma boa sacada, mas alguns movimentos de câmera) e eu achei a trilha sonora perfeita. Achei os voice overs meio estranhos, me lembrou as aulas de roteiro da Ivana na faculdade, falando sobre como a gente não pode sair largando voice overs e fazer o espectador esquecer que eles estiveram lá algum dia, nem colocar muitos também.

O que realmente me fez achar o filme fantástico foi a história e esse crédito vai pro Saramago né. O Meirelles merece muito também porque conseguiu exprimir de um modo muito visual a decadência da situação e isso sempre dá crédito pro diretor, já que essencialmente cinema é (dã) visual.

Não sei também quanto do livro foi cortado, mas o filme deixa aquela sensação, e agora eu quoto a Peyton de One Tree Hill, que disse que depois de ver um show muito bom a gente tem esperança no mundo de novo. Foi assim que eu me senti depois de ver o filme, aquela sensação boa e a esperança de que filmes muito bons são feitos por aí, além do orgulho de ter sido um brasileiro (mesmo ele já tendo nascido milionário – a gente releva).

Posso ficar discutindo horas sobre como o filme retrata a degradação da sociedade, não no sentido de que isso aconteceria em situações limites, mas que isso já está acontecendo e ninguém percebe. A cegueira para a nossa natureza humana, que acaba levando as pessoas a agirem pelos seus instintos mais selvagens e cruéis. A cena do estupro coletivo é simplesmente embasbacante (e ao contrário do que a crítica disse, achei que não foi pesada – claro, relevando o fato de que é um estupro, logicamente é pesado, mas não me fez virar o rosto).
O Meirelles comentou que quando exibiu o filme em Toronto numa sessão teste, a platéia começou a ir embora na cena do estupro e na cena que a Julianne se vinga (deixo em aberto pra não largar spoilers) várias pessoas aplaudiram. Eu quase aplaudi (isso me lembra uma cena de “O Nevoeiro” também). E ele critica o fato de senhoras canadenses e civilizadas aplaudirem aquela situação. Isso me faz questionar bastante a minha própria natureza, porque eu com certeza faria o mesmo que ela fez. Isso me faz um animal? Isso me faz virar um exemplo da degradação humana?

Isso me lembra discussões em Gramado sobre como as pessoas reagiriam se toda a eletricidade acabasse. Enquanto a Sah, a Bruna e a Paola afirmavam que viraríamos animais selvagens e seguindo os nossos piores instintos, eu apoiei a frase de que “as pessoas não são tão podres assim”. Esse filme me fez rever meus conceitos (e só por isso já vale dizer que é um bom filme).

Enfim, “a única coisa pior do que a cegueira é ser a única que pode ver”, pela personagem da Moore.

Vale a pena dar uma lida no blog do Fernando Meirelles falando do filme (ele escreve muito bem por sinal): http://blogdeblindness.blogspot.com

Where Am I?

You are currently browsing the cinema category at "He didn't discover the world and it's people, he created them.".