After silence, that which comes nearest to expressing the inexpressible is music.

December 10, 2009 § 1 Comment

Segundo o NME, esses sao os albuns da decada: http://www.nme.com/list/albums-of-the-decade/158049

Achei uma porcaria a lista, entao fiz a minha (de 10 porque nem conheco tanta banda pra fazer 100). Vejo Folk ingles em peso! Sem ordem de preferencia.

Laura Marling – Alas I Cannot Swim (2008)

Robert Pattinson comentou sobre ela para a Nikki Reed, que falou para a Kristen Stewart, que comentou numa entrevista, que eu li e acabei indo ver se valia a pena. Vale. Entra pra lista por ter me feito comecar a curtir folk, por ter uma das melhores musicas dos ultimos anos em relacao a parecer que foi escrita pra mim (“Ghosts”). Sem contar que ela eh um amor e eu casava certo. Outras musicas excelentes do CD sao: “My Manic and I” e “Night Terror”.

System of a Down – Mezmerize and Hypnotize (2005)

Os dois albuns foram lancados com 6 meses de diferenca. Dei de presente um deles ate e tem historia por tras. Nevertheless, eh um album muito bom, com varias criticas sociais e politicas (como o SYOD adora fazer). Apesar de ja ter ouvido “Chop Suey” antes, por exemplo, foi esse CD aqui que me fez apreciar a banda de verdade, kudos para a musica titulo e “BYOB”, sem contar “Lonely Day”, que eh linda e triste (e traz varias lembrancas, mas afinal, musica boa tem que ter significado).

Mumford & Sons – Sigh No More (2009)

Outra cria do “new” folk ingles. Vi eles por acidente no Glastonbury antes da Laura Marling. Aparentemente, eles, ela e o Johnny Flynn tocam sempre juntos e sao grande amigos.  Outros eye candy, sao varios barbudos para todos os estilos. Os caras tem letras otimas e um ritmo meio folk antigao mas que com as letras fica super moderno e “pop”. Curto muito o CD, que acaba sempre no repeat quando ouco. Sao poucas as bandas que me fazem quase chorar a primeira vez que eu ouco uma musica e foi isso que aconteceu no Glastonbury com “LIttle Lion Man”. Outras grandes favoritas sao: “The Cave” e “White Blank Page”.

Green Day – American Idiot (2004)

Green Day sempre foi uma banda super anos 90 pra mim. Lembro de”Basket Case”, “When I Come Around” e “She” como musicas da minha pre-adolescencia. “American Idiot” ganhou ate Grammy, o que considero ser um grande passo porque Green Day nao eh material de Grammy. A musica titulo faz uma critica super descarada, que alias o CD inteiro faz tambem. Se redimiram para alguns fans que reclamavam que eles tinham se “vendido” e pra mim, provaram que sao capazes de me viciar em um album, misturando musicas mais calmas e depres mas que continuam com jeitao da banda. Outra faixa favorita: “Holiday”, alem de “Jesus of Suburbia”.

Franz Ferdinand – Franz Ferdinand (2004)

Pra mim, foi esse album que transformou Indie Rock em algo conhecido. Nao que isso seja ruim, pelo contrario, porque foi por causa desse album que eu ouvi outras bandas “indie” que eu adoro e um estilo musical totalmente desconhecido ate entao pra mim (sem contar que levou para o publico o estilo terninho, que mesmo que agora ja seja usado demais, nao reclamo de ver homens de terno). Fora isso, o Alex Kapranos eh material de marido e o show dos caras no Glastonbury ganhou a minha estrelinha de melhor show do festival. Esse CD eh daqueles de colocar no repeat pelo menos 3 vezes seguidas. Musicas favoritas: “The Dark of the Matinee” (por ter referencia a cinema provavelmente), “Take Me Out” e “Michael”. )Preciso comprar esse CD asap)

Norah Jones – Come Away With Me (2002)

Como dizia no twitter (/ihateonionrings) agora a pouco, Norah Jones me lembra algo bom que eu nao sei o que. Ouvia muito na epoca de trabalhar na locadora, porque era um dos unicos dvds de musica que alia a pena ouvir repetidamente (junto com The Cure e Travis). Album de debut da menina, chocou geral a gurizada por ter tanto jazz bom ali – genero que se considerava morto por muitos. Ganhou impressionantes 6 Grammys e iniciou a carreira de uma cantora com uma voz invejavel e tem que amar mulheres que tocam tao bem (apesar de nao ser tao boa como atriz em “My Blueberry Nights”, que por sinal aproveita muito bem as musicas dela como trilha). Minha obsessao no CD alem de “Don’t Know Why”, eh definitivamente a “Feeling the Same Way”.

Amy Winehouse – Back to Black (2006)

Sabe que estou me surpreendendo com a quantidade de mulher nessa lista? Nunca me considerei uma menina-que-ouve-meninas. Em todo o caso, Amy Winehouse dispensa apresentacoes. Esse album, o segundo dela, embolsou 5 Grammys. A voz da mulher eh invejavel, assim como os ritmos jazzianos (?), meio R&B e com um pouco do bom e velho rock’n’roll. Apesar de que nao aguento mais ouvir em casa porque ouco todo dia no pub, as melhores (nao me diga que “Rehab” eh uma delas, porque ja cansou) pra mim sao “Just Friends”, “Back to Black” e “Love is a Losing Game”.

The Killers – Sam’s Town (2006)

Apesar de que todo mundo ama o outro album (“Hot Fuss”), esse definitivamente eh meu favorito. Me identifico muito mais com as letras e as melodias me agradam mais tambem. The Killers foi uma daquelas bandas que criou um lugarzinho especial no coracao mesmo que eu ja nao ouca mais tanto (tambem, ouvi tanto que ate ja enjoei, meu lastfm esta de prova). Esse album foi minha trilha sonora antes de vir para Londres e do periodo de problemas amorosos que eu passei antes de vir. “For Reasons Unknown” posso dizer que eh A musica que explica a minha vida. Outras favoritas sao “Sam’s Town” que fala sobre botar o peh na estrada (perfeita pra preparacao de viagem) e “When You Were Young”.

Johnny Flynn – A Larum (2008)

Terceira parte do trio mencionado mais ali pra cima. O guri eh lindo, devo admitir que isso me faz meio injusta, mas a musica dele eh poesia. Brega de dizer, mas eh verdade. As letras do album de debut sao totalmente simpaticas e queridas e fofas de ouvir, especialmente durante domingos preguicosos. Outro que eu vi tocar no Glastonbury, vi sentadinha ainda por cima, numa tenda super amigavel. Enfim, Johnny Flynn tem talento e uma voz que nao parece sair daquela carinha loira. Um folk um pouco menos puxado pro Johnny Cash e menos dancante que Mumford & Sons, mas nao tao depre quanto Laura Marling. Minhas favoritas: “Tickle Me Pink”, “The Box” e “Brown Trout Blues”.
 

*Bobby Long – Dirty Pond Songs (2009)

Na realidade, esse nem deveria estar aqui porque eh um EP nao lancado por gravadora alguma. Ganhei duma amiga, num dos shows dele. Em todo o caso, eh a minha lista e coloco quem eu quero, oras! (O primeiro album do Bobby Long vai sair no primeiro semestre do ano que vem)

Podia ficar dias aqui falando do Bobby, mas tenho que ir dormir. Vale dizer que ele eh um cantor de folk, que pega inspiracoes principalmente do Bob Dylan, apesar de algumas musicas serem super Johnny Cash. Nao machuca o fato dele ser lindo, engracado e super querido (na maior parte das vezes que conversamos pelo menos). Ja sei que parece cliche, mas eu sei que esse ai vai ser famoso daqui a alguns anos. Com letras (e um vocabulario) invejavel, fico impressionada toda vez que ouco e principalmente quando vejo ele tocar ao vivo. A voz dele eh – como li num artigo – de alguem que tomou muito whisky e depois arrastou as cordas vocais na areia. As minhas favoritas do EP sao: “Dead and Done” (que eh super Cash), “The Rattle and Roll”, a agitada e puxada pro rock’n’roll “Penance Fire Blues” e a triste e romantica “Who Have You Been Loving”.

Queria muito incluir tambem o EP do Marcus Foster, mas nao deu espaco. Tenho certeza tambem que daqui a 2 dias vou pensar num album que deveria estar ai mas que eu esqueci ou algo do genero. Varias bandas sei que mereciam, mas neh, cada um cada um. Queria fazer mencoes honrosas para Arctic Monkeys – Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not, tambem para Placebo e Explosions in the Sky.

Lying is the most fun a girl can have without taking her clothes off

December 1, 2009 § 1 Comment

I think it’s when we (women) are about 15 years-old that we realize how much power we have over the male race. I guess that it also depends on how you’re raised or how old you are when you develop your sex appeal.

I find it highly amusing how that works. It’s also a bit pathetic and possibly dangerous. I don’t think many women know how manipulative they’re being (or maybe they do and that makes it even more dangerous).

Of course, it’s very much fun and I must say interesting to observe how you know that if you dress up with a skirt or wear a cleavage and a little bit make up, maybe even put on some high heels, men will be much more suscetible to your desires. Far from me to want to sound arrogant, but you can’t really deny this. Whether it’s a pretty girl or not, men will look twice (or more and maybe for different reasons).

I quite like the idea that you know how someone is going to react at a certain point or at some kind of stimuli. It’s one of the best feelings ever to see how the “boy you like” react when you dress up a little bit better. We’ve all seen in romantic movies and teen comedies that when the so-so protagonist dresses up and goes through a makeover, the boy falls completely (which is quite depressing that he needs to see her not as she really is to fall in love).

And why do you think good looking actors and actress have so much power over the media and everyone else? It’s definitely not because they’re really nice people, at least not most of the time. We all love good looking people. Eye candy. Etc. Nevertheless, men don’t know to use that as much as women do. We learn from very young, probably because when teenagers, men can’t really control their sexual appetite, while women can (they giggle), so we realise that there’s something there that should be explored.

It’s depressing, but if women weren’t that evil and manipulative I might have some respect for the female race. Now, really, do you need to dress up like a slut all the time? I reckon girls are learning way to early that they can manipulate men using sex (not in the proper sense of having sex with them, but making them wanting to have sex with you).

I wish men were a bit smarter when it comes to this side of the story and proved it to me that they’re not that easily persuaded. Each time they did prove through arguments, sooner or later they just proved that theory when they weren’t paying attention. It’s a natural part of us to do so and maybe that’s why it’s difficult to act against it, but being “the” most developed race in the planet, I would assume we have more control over our minds than that.

I’m certainly not saying that when they see a women wearing a mini skirt all men just stop thinking and crawl on their knees. No, what I’m saying is: they’re definitely aware that women use their bodies to control them, but are they aware of when we’re doing this? And more important do they care we are doing this?

Are women just being primitive thinking they can manipulate men using their bodies or are men that easily manipulated? I’m not talking about using sex (because that would have to include also the discussion about “sex strike” in a relationship and prostitution at some level) but using the knowledge that we all acquire at some point that men react some way to us if we want to.

Where Am I?

You are currently viewing the archives for December, 2009 at "He didn't discover the world and it's people, he created them.".