Glastonbury 2009 – Parte 1

June 29, 2009 § 2 Comments

Pra tirar o resto do pó do blog eu ia postar sobre as viagens pra Italia e França, mas como acabei de chegar do Glastonbury, vou deixar pra postar dicas das viagens depois e falar agora sobre o Festival. Que tal?

A contagem regressiva pro dia em que o Festival ia começar teve inicio em maio ja de tao ansiosas que estavamos. O line up total foi divulgado no dia 10 de junho…mas a suposta line up incluia ate Placebo, o que foi super triste saber que eles nao iam tocar…estava torcendo para ver The Killers, The Kooks e Kings of Leon, mas nenhum deles estava incluido, mesmo com as 3 bandas fazendo shows em Londres poucos dias antes do festival. Porem, a noticia de que Laura Marling e Johnny Flynn iam tocar fez valer a pena.

Fomos de carro, com um amigo da Andrea, graças a deus, porque ficar na fila do trem e pegar onibus com a quantidade absurda de bagagem ia ser tortura medieval. O festival acontece numa fazendo GIGANTESCA a 3h de Londres mais ou menos, numa cidade chamada Somerset que fica super perto de Stonehenge. Chegamos ao meio dia de quarta-feira 24 de junho, carregamos toooooda a bagagem na mao (nota mental: comprar um carrinho daqueles de carregar botijao de gás pra levar as malas ate o acampamento) no solzão e quase morremos. Armamos as barracas bem perto do Other Stage (onde iam tocar Franz Ferdinand, Bloc Party, Yeah Yeah Yeahs e Pete Doherty) somente para nossa tristeza perceber que nao tinhamos comprado nenhuma bebida e esquecemos panelas (e a gente carregou muita comida!).

Decidimos ir explorar o festival, que tem milhares de lojinhas de roupa, chapeus, equipamentos de acampar, sem contar as milhares de opções de restaurantes. Tudo num preço bem bacana mesmo, as pints de cerveja e de cidra (a bebida “oficial” do festival) eram o mesmo preço dos pubs em Londres. E tinha varias lojas de fantasias, quase comprei um vestido de noiva hsauhsauha mas era 15 libras e a grana ta curta.

Enfim, os shows só começavam mesmo na quinta feira, com a abertura do festival pelo Maximo Park as 16h (e nem era no palco principal). Entao, quarta feira nós exploramos as bancas, andamos muito por ai, encontramos pessoas curiosas por todos os lados e fomos parar numa apresentação de um grupo escocês que tocava musica brasileira e jogava capoeira, sao coordenados por um brasileiro e foi fantastico! Nao sou grande fã de algumas coisas da cultura brasileira, mas devo admitir que os caras sabem fazer um ritmo pra lá de empolgante.
Os banheiros eram o maior parto, tem 1750 daqueles pipiroom (o festival tem 175000 pessoas) e varias patentes com um buracao de metal ao ar livre pra gurizada usar. Super me lembrou a fazenda da minha tia, mas era muito desagradavel. De noite fomos ate a parte do festival chamada The Park, que é toda decorada como se fosse um parque de diversoes. Tem uma festa que eu sempre tive vontade de ir desde que a Lucia me falou sobre: Silent Disco. A moral é que na porta de entrada te dão fones de ouvido porque tem dois DJs que ficam colocando musica e tu pode escolher qual tu quer ouvir simplesmente mudando de estaçao no fone. É uma das coisas mais divertidas que eu ja vi! Tira o fone e ta só o pessoal cantando super empolgados e de vez em quando alguem descobre que na outra estação ta tocando uma musica mais legal, dai começa a dançar fora do ritmo da gurizada e do nada as pessoas começam a mudar pra essa estação tambem.

No final, conseguimos comprar as panelas! E comemos super bem para um acampamento. Uma barraca enorme foi montada do lado da nossa, alias, em volta das nossas barracas tinha varias enormes com gazebos e tal. Acabamos por perceber que estavamos morando em Beverly Hills 90210.

A quinta-feira trouxe a noticia de uma possivel chuva torrencial que ia alagar tudo no sabado e domingo. No final, deu um chuviscada o suficiente pra deixar um pouco embarrado, mas nada de mais na quinta-feira. Eu e a Andrea fomos ate o campo do Greenpeace (porque nao se pode ter hippies sem Greenpeace) para descobrir que eles tinham chuveiros quentes (aquecidos por energia solar)! Todos trouxemos muitos daqueles lencinhos de limpar bebês para tomar banho de gato, mas a fila nem estava grande (ao contrario dos dias seguintes…que dava volta na esquina).

De tarde nos separamos porque as 14h ia ter uma sessao de estreia de “Adventureland”, o novo filme do diretor de Superbad e com a Kristen Stewart. Fomos eu, Sah e Luh para ver. Era numa barracona de circo e todo mundo ficava deitado no chão. Acabou sendo um bom filme, nao tao engraçado, porem bem legal, mas praticamente derretemos porque nao tinha ventilação na tenda. Tentamos encontrar a Lucia, o Albertino e a Andrea para ver o Maximo Park no palco Queen’s Head, mas para a nossa surpresa, todos os caminhos para chegar lá estavam trancados de tao lotado! Isso que dá colocar o show de abertura num mini palco.

De algum modo que eu nao sei como, acabei achando uma brecha e quando vi, tava quase no meio da galera, dentro do cerco. Foi impossivel chegar perto o suficiente para ver o show, mas o telao mostrava de onde eu tava. Acabamos passeando de tarde, o que acaba sendo uma coisa extremamente divertida, porque a cada esquina se acha um palquinho com bandas novas tocando e elas sempre sao otimas! Nos sentamos para organizar os shows e o cronograma dos proximos dias. Deu uma dó no coração porque diversas bandas que queriamos ver iam tocar no mesmo horario. Acho que esse acaba sendo o maior problema (fora os banheiros), tem que acabar abdicando de bandas porque nao tem como encaixar o horario.

De noite tentamos levar a Sah e a Luh na Silent Disco de novo, mas nao tava tao boa, ficamos 1 hora na fila pra ficar 1 hora lá dentro. Um dos DJs aparentemente era apaixonado pelo Brasil, ficava tocando varios classicos e outras musicas bizarras (mocotó, eu quero mocotó). A quantidade de pessoas iam aumentando a cada dia, o primeiro foi super tranquilo, depois começou a ficar desagradavel andar por ai.
Enquanto andavamos a procura de outro lugar para ir, começamos a ouvir muita gente falando “Michael Jackson” e ficavamos nos perguntando “Por que diabos estao falando do Michael Jackson?”, dai um cara falou “Michael Jackson é gay!” e uma guria perguntou “Por que tao falando do Michael Jackson?”, dai um outro responde “Ele morreu!” e deu uma risadinha. Ah, jura né, Michael Jackson morreu…mas a cada minuto alguem passava falando o nome dele.
Começamos a cogitar a possibilidade dele ser um dos convidados especiais. Imagina só, Michael Jackson no Glastonbury?! Nem preciso comentar a nossa empolgação. Naaaah, ele nunca iria tocar num festival desse genero hoje em dia. Fui no banheiro e quando volto a Lucia ta no telefone com um amigo de Londres, e as gurias me olham e dizem: “Michael Jackson morreu”. COMO ASSIM? Foi o que eu fiquei repetindo por uns 15min, mesmo depois que ela desligou o telefone pra confirmar mesmo. Andamos por ai, comigo ainda nao crente que isso fosse possivel. Decidi pedir uma segunda opiniao e liguei para a Ju, que morava com a gente.
Acordei a menina e ela me confirma: Sim, Michael Jackson morreu agora a pouco, as 1hora no maximo. De que? Parada cardiaca. Como assim? Morreu, oras. Te juro que quase chorei.

Estavamos caminhando e iamos em direção ao circulo de pedras encontrar uns amigos dum amigo da Andrea. Passamos por uma banca de bebidas que tava tocando Michael Jackson e paramos para dançar junto com mais um grupo de umas 20 pessoas, todos emocionados dançando Thriller e Black or White. Dai a banquinha de vinho da frente começa a tocar tambem, e fica todo mundo correndo de uma pra outra dependendo de qual musica esta tocando. A de vinho acabou ganhando por ter uma seleçao melhor. E o grupo de pessoas se reunindo pra cantar e dançar foi aumentando aos poucos.
Daqui a pouco aparece um cara com uma camiseta escrita “I shot Jacko” e dois minutos depois um com o dizeres do ano de nascimento e morte e RIP. Como fizeram tao rapido? Ah, as camiseterias que tinham espalhadas pelo festival. O pessoal se empolga muito com as musicas, se abraçando na hora de “Earth Song” e fazendo trenzinho na hora de “Black or White”. Filmei, vou postar no meu YouTube depois.

Enfim, fomos ate o circulo de pedra com uma tocha na mao ja que o caminho era muito escuro. Circulo de pedra = muitos drogados, chega a dar medo!
No fim, começou a chuviscar e acabamos indo todos dormir ao som do acampamento tocando Michael Jackson. Definitivamente uma historia para se contar: Eu estava no Glastonbury quando o Michael Jackson morreu.

§ 2 Responses to Glastonbury 2009 – Parte 1

  • Kenny Kleinschmidt says:

    Olá, fiquei muito interessado em ir no proximo ano para ver esse festival.
    Será que vc poderia me dar algumas dicas ??

    Abraços,
    Kenny.

  • Dalva Oliveira says:

    Julinha, adorei teus comentários do festival,pena não dar para assistir a todos os shows!Aproveita bastante.
    Por favor vai ao show do U2 em Londres!eu cometeria qualquer loucura para assistir, sou capaz de ir sozinha para EUA em set para ver o Show de tão desesperada que estou!!!!Beijos

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Glastonbury 2009 – Parte 1 at "He didn't discover the world and it's people, he created them.".

meta

%d bloggers like this: